Crise do coronavírus

CANOAS | Bandeira vermelha em todo o RS hoje: o artifício e o ’laudo técnico’ de Eduardo Leite

Governador prepara decreto que dá novo passo para volta às aulas no Estado ainda esta semana

Conforme apuração da Rádio Gaúcha, o governador Eduardo Leite (PSDB) está preparando para publicar ainda nesta terça-feira (27) um novo decreto que permite colocar todo o Estado sob a vigência dos protocolos de bandeira vermelha já nas próximas horas. Até agora, a avaliação do mapa das bandeiras era feita na quinta-feira e a vigência dos protocolos começava no sábado.

Há uma avaliação política e uma técnica para o governador tomar essa atitude.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | 10 mil canoenses sem segunda dose: daqui a pouco vem a fake de a culpa é do prefeito e do governador

CANOAS | ’Vamos cumprir a decisão judicial’, diz secretária; volta às aulas só com segurança jurídica

 

Tecnicamente, os índices de contágio e, principalmente, de ocupação hospitalar no Estado caíram. Em março vivemos um caos; em abril, uma redenção. O alívio permitiu falar pela primeira vez desde o início de 2021 em distensionar o distanciamento, mas exige cautela: abrir demais pode provocar uma terceira onda com o sistema de saúde ainda muito saturado e com todos os profissionais da linha de frente em exaustão.

Por conta disso, o modelo de distanciamento previa uma salvaguarda: sempre que o sistema hospitalar estiver saturado, o Estado inteiro entra no regime da bandeira preta. E só pode sair quando houve melhora dos índices por pelo menso duas semanas consecutivas. Além disso, para mudança da bandeira, a salvaguarda também exigia que para cada 100 leitos ocupados em UTI por pacientes com Covid-19, deveriam haver outros 35 livres – o que, apesar da melhora, ainda não é o caso do Rio Grande do Sul.

O que nos leva a temarária avaliação política que o governo gaúcho faz para mudar o modelo.

Eduardo Leite quer retirar do Programa de Distanciamento Controlado as salvaguardas que hoje bloqueiam a mudança de bandeira. Com isso, o Estado inteiro poderia se enquadrar em regras mais brandas. Politicamente, o governo estuda, ainda, retirar do modelo a possibilidade de cogestão, o que deixaria os municípios de fora da decisão sobre uma abertura ainda maior – mas facilitaria o retorno às aulas mais imediatamente. 

Já é hora de arrumar a mochila das crianças, então? Não. Explico porquê.

Toda essa conversa que acontece na manhã desta terça-feira, 27, em reunião extraordinária do Comitê de Crise, ainda pode acabar na Justiça. Os mais recentes episódios de tentativas de mudança de regras para o retorno das aulas foram todos bloqueados tanto no Tribunal de Justiça como em Brasília, nos tribunais superiores.

Objetivamente, a tendência é de que a insegurança jurídica permaneça enquanto o judiciário não de debruçar sobre o tema. As escolas que anunciaram o retorno no domingo foram obrigadas a informar os pais na segunda que os portões seguiriam fechados até uma solução mais definitiva da situção. E, obviamente, não é o caso do novo decreto, que ainda nem foi publicado e já arregimenta exércitos jurídicos contra e a favor.

E, enquanto isso, segue o risco do Sistema de Distanciamento Controlado do Estado cair em descrédito público irreverssível. 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »