Crise do coronavírus

CANOAS | Alívio nos indicadores pressiona por bandeira vermelha; Canoas e os ’50 tons’ de flexibilização

UTIs com ocupação mais para 80% do que para 110% e queda no contágio levam à necessária e recorrente pergunta: já passamos pelo pior? A prudência indica que não

Nosso infindável 2020 e a pandemia que deixou a nossa normalidade no passado parece dar sinais de arrefecimento. Os indicadores de ocupação hospitalar em Canoas, por exemplo, estacionaram em patamares próximos a 80% em abril – bem distantes dos mais de 110% da primeira quinzena de março. O contágio também caiu: terça-feira, 20, por exemplo, registramos 133 novos casos e houveram 10 óbitos informados; no feriado de Tiradentes, 96 casos e 6 óbitos informados.

Não víamos números assim desde o final de janeiro.

A clareza dos números, no entanto, abre espaço para uma nova discussão: quando, de fato, vamos flexibilizar regras de distanciamento e promover a abertura? Concordo que este dia não está distante, mas é preciso ir devagar com o andor – afinal, sabemos, o santo é de barro.

 

LEIA TAMBÉM

CANOAS | Intervenção da Prefeitura no Graças segue até outubro; mais seis meses de comitê por lá

CANOAS | Junta terá relatório sobre a Sogal em 15 dias; sindicato recua da saída

 

A pandemia não passou. O comportamento do vírus, que flui em ondas, resta conhecido. Recém nos livramos de um período muito duro e difícil, quase metade dos óbitos concentrados em menos de três meses. Canoenses que pagaram com a vida para que tivéssemos a chance de entender o momento que vivemos que, na verdade, o do intervalo um pico de casos e o outro; não quer dizer que teremos um novo março agora em maio, mas que a possibilidade existe. E, se existe, precisamos nos preparar para ela.

Pensando nisso, técnico do Gabinete de Crise do Estado, reunidos na manhã desta quinta-feira, 22, indicaram ao governador Eduardo Leite a manutenção da bandeira preta em todo o Rio Grande do Sul, dando aos municípios a possibilidade de implementar regras da bandeira vermelha, por conta do sistema de cogestão. E só. 

Reputo que os técnicos tem razão.

Antes que os haters me acusem de querer quebrar a economia, digo que entendo a necessidade da retomada. O risco, no entanto, é alto. Deveríamos discutir a abertura como temos discutido a volta às aulas: não com um argumento sobrepujando o outro, mas com a dialética dos que querem um caminho bom mesmo pensando de formas diferentes. O mais prudente, agora, é flexibilizar aos poucos, abrir o que oferece menos risco. E provavelmente teremos um Dia das Mães melhor para economia do que foi a Páscoa.

A vacinação, mesmo lenta, avança. Antes do final do mês devemos começar a imunizar as pessoas com comorbidades – essas, também por idade, provavelmente, como vem recomendando o Ministério da Saúde. Professores, na sequência. E aí provavelmente seja possível o retorno às salas de aula. Da mesma forma, a economia.

O fato de estarmos cansados não pode nos cegar para o fato de que a abertura está mais próxima agora do que jamais esteve. O novo normal e a vida que virá com ele ainda depende das escolhas que fizermos hoje. Uma abertura desmedida colocaria em xeque todo o sistema de distanciamento passando à sociedade o recado errado de que o perigo já passou e isso é tudo que o vírus precisa para nos colocar em novo colapso na saúde.

A estratégia, agora, é parcimônia.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »