política

Cachoeirinha pode ter nova eleição em 2022 e Miki e Maurício inelegíveis até 2028; MP incendeia julgamento de cassação pelo TRE

Cachoeirinha pode ter nova eleição para a Prefeitura em 2022 e Miki Breier (PSB) e Maurício Medeiros (MDB), prefeito e vice reeleitos em 2020, podem ficar inelegíveis até 2028.

Não há nenhuma relação com as operações Proximidade e Ousadia, do Ministério Público Estadual, que levaram ao afastamento por 180 dias do prefeito pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça (TJ), nem com o quarto processo de impeachment em curso na Câmara de Vereadores, o que reportei ainda hoje em Sob ameaça de anulação, comissão do impeachment adia depoimento de Miki e testemunhas; A ’Rede Globo de Cachoeirinha’ acertou.

O Seguinte: teve acesso a parecer desta segunda-feira, 31 de janeiro, no qual o Ministério Público Eleitoral opina pela cassação dos mandatos de Miki e Maurício por abuso de poder econômico e político na campanha eleitoral de 2020.

A Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) movida pelas coligações de Dr. Rubinho (PSL) e Antônio Teixeira (Rede), tinha sido considerada improcedente pela Justiça Eleitoral de Cachoeirinha, mas os candidatos derrotados nas urnas recorreram ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

O parecer do procurador regional eleitoral José Osmar Pumes vai para o relator do processo, que decide se arquiva, ou submete ao julgamento pelo Pleno do TRE, onde cinco desembargadores decidem sobre a cassação. Em caso de improcedência, ainda cabem recursos à corte estadual e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

O PRE só não pede a condenação dos políticos reeleitos por propaganda eleitoral irregular em Facebook da Prefeitura, mas aceita as argumentações inicias dos advogados Adriano Luz, Sthefani Gonçalvez e Lucas Hanisch, que denunciaram concessões e pagamentos irregulares de funções gratificadas e licenças-prêmio, além de concessão de férias em período eleitoral para supostos apoiadores da campanha de Miki e Maurício.

As vantagens teriam sido suspensas pelo prefeito logo ao assumir, seguindo parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCE) relativo ao governo Vicente Pires, mas retomadas irregularmente durante o período eleitoral.

O procurador também pede a inelegibilidade de Miki e Maurício por 8 anos a contar da eleição de novembro de 2020.

Os dois políticos não poderiam participar do pleito suplementar, cujas inscrições de candidaturas estariam abertas para todo cidadão com filiação partidária até 6 meses antes da nova eleição.

Para acessar o parecer do MPE na íntegra, que inclui uma tabela com os supostos beneficiários das vantagens durante a campanha, clique aqui.

Caso o TRE siga a argumentação do MPE, e casse Miki e Maurício, começa a loteria de toga no tapetão, semelhante ao que ocorreu em Gravataí.

Em 2016, a chapa Daniel Bordignon e Cláudio Ávila foi impugnada pela corte estadual após vencer a eleição, teve a sentença reformada no TSE, mas os direitos políticos do prefeito eleito foram suspensos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

O presidente da Câmara Nadir Rocha (em memória) assumiu a Prefeitura por 90 dias até a realização de uma eleição suplementar, em 2017, na qual Marco Alba (MDB) restou reeleito.

Conforme o parágrafo 3º, artigo 224, do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/1965), devem ser marcados novos pleitos sempre que houver, independentemente do número de votos anulados e após o trânsito em julgado, “decisão da Justiça Eleitoral que importe o indeferimento do registro, a cassação do diploma ou a perda do mandato de candidato eleito em pleito majoritário”.

Apesar do artigo falar em “trânsito em julgado”, o que remete a uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), há jurisprudência de casos em que prefeito e vice tiveram afastamento imediato determinado pelo TRE e data marcada para eleição suplementar.

No caso mais radical, de afastamento liminar, em Cachoeirinha Cristian Wasem (MDB) assumiria como prefeito por pelo menos 90 dias, até realização de nova eleição. O vice, Gelson Braga (PSB), comandaria o Poder Legislativo.

Até o fechamento deste artigo André Lima, advogado de defesa de Miki, não respondeu ao contato do Seguinte:. A qualquer momento atualizo com mais informações.

 

LEIA TAMBÉM

A cassação de Miki e a ’maldição do golpeachment’ de Gravataí

 

Em julho do ano passado, quando a juíza eleitoral Vanessa Caldim dos Santos deu sentença julgando improcedente a cassação de Miki e Maurício, em Justiça nega cassação de eleição de Miki; O ’Efeito Orloff’ das fake news que estão matando Cachoeirinha, alertei para a fama de cidade de bandidos, tamanho denuncismo; e, também malfeitos.

‘República da Chinelagem’, apelidei.

Não invoquei o Pai Merdanelles, aquele que faz previsões não nos búzios ou na borra do café, mas sim na espuma da cerveja e na cinza do cigarro, mas profetizei: “… É inevitável o ‘Efeito Orloff’ dessa razia da política. Vai arrastar todos os políticos, de oposição ou governos, puxa-sacos, aspirantes e CCmaníacos que querem tomar a Prefeitura de assalto, ao fuzilamento pelas metralhas de teclados no Grande Tribunal das Redes Sociais – cujas ‘togas’ pendem para ambos lados da ferradura ideológica…”.

Segui: “… O ‘Eu Sou Você Amanhã’ do comercial de vodca de 1987, que ontem tornou presidiário o denunciador dos “300 picaretas do Congresso”, é experimentado hoje pelo deprimente da república, assim como aconteceu no interregno com o juiz ladrão…”.

Avisei: “… Quem paga a conta dessa molecagem – e do rancho – é o povo. Ou alguém não sabe que um governo walking dead – e forçadamente parado – é porto para o assalto de todo tipo de pirata da política? Ou alguém não antevê que governos, para não se encastelarem, precisam de oposição com credibilidade para que a sociedade não escolha apenas o 'menos pior'? Ou alguém acredita que investidores querem colocar dinheiro em uma Cachoeirinha na qual não se sabe quem será o prefeito amanhã?…”

Conclui: “… Navegando pelas redes sociais parece que os corruptos são encontrados em várias partes do mundo, quase todas aqui…”.

Nos últimos seis meses, só piorou. Afogamo-nos no Grande Tribunal das Redes Sociais e em um noticiário político-policial.

Reputo se a terra arrasada da política de Cachoeirinha influenciar nos julgamentos de Miki e Maurício pelas cortes superiores, teremos nova eleição; e uma cidade parada pela política.

Ao fim, repito, lamentavelmente não pela última vez: pobre Cachoeirinha!

 

LEIA TAMBÉM

Vaza Cachoeirinha: Impeachment de Miki ameaça Maurício Medeiros; O filho de calcinha, a ditadura e a galera

Vaza Cachoeirinha: ’batatinha frita 1,2,3’ para cassar prefeito Maurício; O que advogado foi fazer no presídio

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »