crise do coronavírus

Atualizada: TJ mantém aulas suspensas em Gravataí e Cachoeirinha; ’O decreto que está em julgamento foi editado na pior situação da pandemia do Estado’

Por 3 a 0 os desembargadores da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado (TJRS) mantiveram a suspensão das aulas presenciais enquanto o Rio Grande do Sul estiver em bandeira preta.

A decisão proíbe o retorno das atividades presenciais da Educação Infantil e do primeiro e segundo anos do Ensino Fundamental também em Gravataí e Cachoeirinha. 

Para entender a polêmica leia o artigo Gravataí e Cachoeirinha: depois da bagunça, a decisão sobre volta às aulas; Miki acertou, Zaffa errou, no qual, hoje, mesmo, antecipei a decisão.

A sessão não teve transmissão online. Recorro à cobertura de GZH.

Em seu voto, o desembargador Antonio Vinicius Amaro da Silveira, relator do processo, decidiu negar provimento ao recuso do Estado:

– O retorno pretendido deve se dar mediante a constatação de circunstâncias sanitárias seguras para toda a comunidade envolvida, não apenas às crianças, mas também aos pais, professores, auxiliares, atendentes, encarregados da limpeza, merendeiras, colaboradores das escolas e transportadores coletivos.

Conforme a reportagem, o magistrado equiparou o período atual a um estado de guerra, o qual requer "medidas excepcionais com o intuito de preservar bem maior, o que não significa ignorar a existência de danos colaterais inevitáveis". O desembargador disse ainda que a autonomia do governo do Estado é ampla, mas deve estar em consonância com os dados de risco decorrentes da pandemia. 

O desembargador Eduardo Uhlein acompanhou o relator do processo, votando contra o recurso do governo gaúcho. 

– O decreto que está em julgamento foi editado na pior situação da pandemia do Estado — disse Uhlein – reportou a jornalista Letícia Paludo, que fez a cobertura da sessão.

O entendimento do terceiro desembargador a se pronunciar, Alexandre Mussoi Moreira, foi de que não há elementos novos, como a vacinação dos professores, que autorizem a volta às aulas presenciais. Dessa forma, também votou contra o recurso. 

Na última sexta-feira, o governo do Estado publicou um novo decreto, o qual incluía a Educação Infantil e o primeiro e segundo anos do Ensino Fundamental no sistema de cogestão, que permite flexibilizar atividades para a bandeira imediatamente anterior do distanciamento controlado. Dessa forma, havia ficado liberada a retomada das aulas presenciais a partir desta segunda. 

Após petições questionarem a validade do decreto estadual, no domingo (25), a Juíza Cristina Luísa Marquesan da Silva, da 1ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre, reafirmou que a liminar divulgada em fevereiro seguia em vigor e mantinha suspensas as aulas presenciais. O governo do Rio Grande do Sul informou voltou a suspender as aulas presenciais do Estado na manhã desta segunda-feira.

A qualquer momento novas informações.

 

LEIA TAMBÉM

Gravataí e Cachoeirinha voltam às aulas? Zaffa e Miki divergem, juíza suspende e associação de escolas particulares convoca retorno nesta segunda; A bagunça que o governador criou.

As aulas presenciais vão voltar em Gravataí e Cachoeirinha; Sorteio ‘Com K’, greve ’Com G’

Leite vai brincar de colorir mapinha? Gravataí, Cachoeirinha e Grande Porto Alegre querem bandeira vermelha por decreto

A polêmica da volta às aulas: Gravataí e Cachoeirinha odeiam professores?; Para alguns nas redes sociais parece

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »