política

A um ano da eleição, quais as potenciais candidaturas de Gravataí a estadual e federal; O ’nós contra eles’ de 24

A um ano da eleição Gravataí tem pelo menos 15 potenciais candidaturas locais à Assembleia Legislativa e à Câmara Federal.

Nos anos 2000 a aldeia chegou a ter consecutivamente cinco parlamentares: Edir Oliveira federal, Abílio dos Santos, Daniel Bordignon, Francisco Pinho e Miki Breier. Na eleição de 18, ninguém foi eleito. Patrícia Alba é hoje a dona de seu mandato, mas somente após titulares renunciarem para assumir prefeituras.

Vamos aos nomes e, Printe & Arquive na Nuvem, coloco ao lado a porcentagem que reputo tem a respectiva candidatura de se confirmar em 22 – em condições normais de temperatura e pressão. Para ficar claro: a porcentagem é análise minha, baseada em informações recolhidas e leitura de cenário.

No governo, os candidatos do prefeito Luiz Zaffalon (MDB) são o casal Patrícia Alba (MDB), à Assembleia, e o ex-prefeito Marco Alba (MDB), a federal. Chance de concorrerem: 100%.

Outro especulado é o Policial Federal Evandro Coruja (PP), para disputar a Assembleia como representante do bolsonarismo raiz. Chance de concorrer: 30%.

Paulo Silveira (PSB) também é cotado para Assembleia, pela ‘esquerda’ do governo. Chance de concorrer: 30%.

Jones Martins (MDB), como uma dissidência do grupo de Marco, é citado para concorrer a federal como dobradinha de Juvir Costella (MDB). Chance de concorrer: 20%.

Na oposição a principal candidatura é do ex-vereador Dimas Costa (PSD) à deputado estadual, lançada desde que se abriram as urnas que, com 35 mil votos, lhe colocaram no segundo lugar na disputa pela Prefeitura em 20. Chance de concorrer: 100%.

O vereador mais votado na última eleição, Bombeiro Batista (PSD), também já foi lançado candidato a deputado federal. Chance de concorrer: 70%.

O meio político ainda aposta numa candidatura de Cláudio Ávila (PSD) a federal, mas ele diz não querer. Chance de concorrer: 30%.

Evandro Soares (DEM), assessor de Onyx Lorenzoni em Brasília, é provável candidato a Câmara Federal, caso o ministro e deputado federal concorra a governador. Chance de concorrer: 60%.

A presidente do sindicato dos professores Vitalina Gonçalves (PT) é cotada para concorrer à Assembleia Legislativa. Chance de concorrer: 90%.

O vereador estreante Thiago De Leon (PDT) pode disputar vaga à Assembleia. Chance de concorrer: 50%.

A bióloga e funcionária pública Daniela Diedrich (PDT) se coloca para a Câmara Federal. Chance de concorrer: 70%.

Apesar de ter outros planos, Anabel Lorenzi (PDT) é nome sempre lembrado e poderia concorrer a Assembleia ou Câmara Federal. Chance de concorrer: 30%.

No PSOL os nomes são as ex-cadidaturas à Prefeitura, Rafael Linck e Tamires Paveglio, ainda sem definição sobre quem concorre a estadual ou federal. Chance de concorrer: 100%

Ao fim, tudo se desenha para que, conforme a popularidade nas urnas, 2022 reproduza o que pode se tornar um ‘nós contra eles' em 24, na disputa pela Prefeitura, entre governo (Zaffa, Marco & Cia) e oposição, com Dimas e o ex-prefeito Daniel Bordignon (PT) juntos.

 

LEIA TAMBÉM

Na eleição do ’contra o que está aí’, perderam os políticos tradicionais

 

Assista ao Seguinte: em 2018, o ano em que não elegemos ninguém

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »