política

A ’pauta-bomba da Sogil’: esperança para tarifas não explodirem nas linhas intermunicipais passa por Gravataí

Gravataí é o ‘case’ para socorrer o transporte coletivo e evitar a explosão no preço das tarifas na Grande Porto Alegre. Reputo é a inevitável – e impopular – institucionalização dos subsídios; a ‘pauta-bomba da Sogil’ aplicada nas linhas intermunicipais.

Na instalação de comissão especial na Assembleia Legislativa nesta quarta-feira, a proponente Patrícia Alba (MDB), deputada estadual e ex-primeira-dama, anunciou que o colegiado terá a colaboração do secretário de Mobilidade Urbana de Gravataí, Adão de Castro.

Um dos mais conceituados especialistas em Engenharia de Tráfego do Brasil, o também secretário no governo Marco Alba (MDB) foi um dos responsáveis técnicos pelo Pro Coletivo, programa implantado no governo Luiz Zaffalon (MDB) a partir de janeiro e que reduziu a tarifa do transporte municipal de R$ 4,80 para R$ 3,75 – a mais barata da Região Metropolitana, que, fosse cobrada a tarifa técnica, sem subsídios, seria de R$ 7.

 

LEIA TAMBÉM

Pauta-bomba da Sogil: Zaffa reduz tarifa de ônibus municipal a 3,75; ’Portas seguem abertas a alternativas’

 

Segundo Patrícia, o tema que já era emergencial ficou “à beira do colapso” com a pandemia, devido à queda abrupta de passageiros provocada pelas restrições de isolamento social, além do aumento dos combustíveis em mais de 60% nos últimos 12 meses.

– A sustentabilidade do transporte público é um dos grandes desafios para os gestores públicos de todo o Brasil – alerta a deputada.

Conforme dados da Associação dos Transportadores Intermunicipais Metropolitanos de Passageiros (ATM), o sistema chegou a perder 75% do volume de passageiros no início da pandemia, o que dificultou a manutenção do serviço.

– Muitas pessoas que moram em uma cidade e trabalham em outra dependem apenas do ônibus para fazer esse deslocamento, que se tornou caro e pouco atrativo por uma série de fatores. Esse é um assunto que impacta diretamente na vida do cidadão e requer a participação do Estado e da União, que têm as suas responsabilidades constitucionais a respeito – avalia a parlamentar.

 

LEIA TAMBÉM

Gravataí e Cachoeirinha: estudo mostra ser irreversível subsídio como para Sogil e Transbus

 

Patrícia Alba confirma que o objetivo é discutir benefícios, isenções, subsídios e formas de baratear o transporte, tornando este um meio mais atrativo e competitivo para aqueles que passaram a optar por soluções alternativas, como carro próprio, aplicativos, ou mesmo deixaram de usar coletivos.

– Quanto maior a demanda de passageiros, mais acessível tornaremos o custo do transporte para quem precisa – conclui.

Em dezembro de 2021, a deputada foi uma das articuladoras da aprovação pela Assembleia Legislativa do subsídio estadual de R$ 88,5 milhões oferecido pelo governador Eduardo Leite (PSDB) para assegurar a prestação do serviço, bem como a regularização da folha de pagamento dos funcionários do setor.

 

LEIA TAMBÉM

’Pauta-bomba da Sogil’: Leite propõe auxílio emergencial de 90 milhões para transporte intermunicipal; Amarga em Gravataí o doce sabor de ser oposição

 

Gravataí é case porque, além de medidas como a retirada de cobradores, o que começa a acontecer na Região Metropolitana, já ‘institucionalizou’ os subsídios ao transporte coletivo.

Há um ano, a Câmara de Vereadores aprovou projeto enviado pelo prefeito Luiz Zaffalon que garantiu subsídio de R$ 5 milhões para a Sogil (R$ 3,8 milhões em indenização por perdas da concessionária durante a pandemia e R$ 1,2 milhão em compra antecipada de passagens), o que manteve as passagens congeladas desde 2019 e “zerou a conta” com a concessionária, até o fim de 2021.

O que chamo ‘institucionalização’ se confirmou em dezembro, com o Pro Coletivo. Do que Zaffa chamou de “dinheiro novo”, que são R$ 12 milhões projetados dos royalties do petróleo, a Câmara aprovou a destinação à Sogil de cerca de R$ 300 mil mensais, ou R$ 3,6 milhões ao ano, para a Prefeitura bancar mais de 80 mil gratuidades que correspondem a 40% do custo da passagem das linhas municipais de Gravataí.

– É um subsídio direto do governo ao usuário e ao empregador, além de tornar Gravataí ainda mais atrativa para novos investimentos – explica o prefeito, explicando:

– Beneficia o trabalhador autônomo, que tira do bolso todos os dias o valor da passagem, e o empregador, desonerando a folha de pagamento, já que é ele quem paga, por meio do vale-transporte, 94% desse valor, ficando, para o empregado, os outros 6%. Reduzir o valor da passagem é fazer com que todos ganhem.

No programa também estão obras de infraestrutura, como ruas por onde passa ônibus, faixas exclusivas, ciclovias e paradas, inclusas em financiamento de R$ 50 milhões contraído pela Prefeitura junto à Caixa Federal.

Pelos primeiros indicadores apurados pelo Seguinte: junto à Prefeitura e Sogil, o subsídio para as linhas municipais parece estar funcionando em Gravataí. O aumento de passageiros após a redução das tarifas, dia 1º de janeiro, chega a 40% em 2022.

Como é o pobre, a periferia quem mais anda de ônibus, e paga a conta, a redução de R$ 1,05 pode ser imperceptível para muita gente. Mas a economia permite a um casal de trabalhadores, que usa diariamente dois ônibus, comprar um botijão de gás a cada mês.

É o tal “ciclo virtuoso”, que aposta Zaffa, e Patrícia quer levar agora ao debate regional e estadual: quanto mais gente usar o transporte coletivo, mais sustentável fica e as tarifas podem baixar ainda mais.

– A lógica do ProColetivo é essa: aumentar o número de passageiros, ampliar a oferta – concorda Fabiano Rocha Izabel, diretor da Sogil.

Não por acaso, no ato de lançamento do TimeBus, aplicativo para o usuário saber onde está o ônibus, e na presença da direção da Sogil, Zaffa fez um ‘anúncio-cobrança’ de que, a partir de março, Gravataí terá novas linhas e horários, além de projetar que próximos ônibus tenham ar-condicionado e novas tecnologias.

– Não adianta baixar o preço e não melhorar o serviço – resumiu, e reportei em ’Pauta-bomba da Sogil’: Zaffa anuncia novas linhas e horários ao lançar APP para saber em tempo real onde ônibus está; Economia de casal com tarifa menor dá um botijão de gás por mês.

 

LEIA TAMBÉM

Um ano de governo, 1h com Zaffa: balanço e perspectivas; Covid, Rio, investimentos, Zaffari, pauta-bomba da Sogil e outras polêmicas

 

Ao fim, ainda e sempre apanhando no Grande Tribunal das Redes Sociais por não caçar-cliques, e “defender a Prefeitura dar dinheiro para a Sogil”, sigo com o mesmo desafio: qual a alternativa, além do inevitável e impopular subsídio governamental, para as tarifas não restarem impagáveis para quem é obrigado a andar de ônibus diariamente?

Insisto: é coisa de desinformados, ou informados do mal dizer “deixa subir a passagem, o povo usa uber!”, quando o brasileiro hoje não economiza para dias ruins, e sim para dias piores.

Inegável é que, para quem depende de ônibus, resolver só as linhas municipais, os ônibus branquinhos, ajuda, mas não basta. A esperança é a salvação de todo o sistema, que envolve as linhas intermunicipais, os ônibus azuis, o Ponte, Porto Alegre.

A abertura do debate na Assembleia Legislativa, a Casa do Povo, é uma luz no fim do túnel. Hoje, como está, o que vem na contramão, como um Sogil lotado e sem freios, é mais aumento de tarifas para ir a Porto Alegre.

 

LEIA TAMBÉM

CPI da Sogil é matar ou morrer em Gravataí; O risco da Câmara como vilã

 

Assista na TV Seguinte: o que, em 2022, já disseram sobre o socorro ao transporte coletivo o prefeito; o diretor da Sogil; o ex-prefeito; a deputada estadual e o secretário de Mobilidade Adão de Castro

 

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »