cultura

A noite memorável do gravataiense Renato e a filha Renata no show do Kiss

Morador de Gravataí, Renato Reis e a filha Renata foram ao show do Kiss, em Porto Alegre. O servidor público, apaixonado por rock, enviou um relato ao Seguinte: dos momentos partilhados na Arena

 

Uma noite memorável!

Essa é a sensação após assistir aquele showzaço, na Arena do Grêmio, o primeiro no Brasil, da turnê End Of The Road World Tour, anunciada como a última do Kiss. E por que memorável?  Porque este é o significado daquilo que se guarda na memória. Este é o principal registro, guardar na mente toda a maravilhosa performance da banda destes senhores, reis do metal. É claro que tiramos fotos, selfies e filmamos com nossos celulares, mas garanto a vocês que eles ficaram a maior parte do tempo nos nossos bolsos.

Foram quase duas horas em que eles nos brindaram com o melhor da sua carreira e o Paul Stanley fazendo questão de repetir a todo momento, Pooortooo Alegrue, naquele sotaque arrastado de um gringo. Foi elogioso e ao mesmo tempo carinhoso com o público.

A banda respeita a platéia, brinca com ela ao mesmo tempo em que se diverte no palco.

Um detalhe chamou a atenção logo na chegada, a simplicidade do palco, esperava que fosse maior e cheio de equipamentos e com enormes telões. Mas não, era um palco modesto considerando o tamanho e a história de quem iria se apresentar ali. Esta impressão cai por terra quando um enorme pano, com a logo da banda, é baixado , as luzes se acendem, o baixo, as guitarras e a bateria ecoam pela Arena e eis que surgem Paul, Gene e Tommy, descendo sobre o palco, em pé sobre umas plataformas suspensas por cabos, o batera, Eric, lá atrás pilotando sua nave particular, performando magnificamente nas baquetas.

Cada um teve seu momento de brilho individual, solando seu instrumento virtuosamente, todos eles. Quem teve a oportunidade de estar ali, cantando junto, aplaudindo, gritando e pulando, foi um privilegiado, é assim que me sinto, um privilegiado, afinal, houve momentos em que eu cantava (ops!) e banda Kiss estava no palco tocando, fazendo o acompanhamento. Calma, não se assustem, quem cantava eram os milhares de fãs, regidos pelos mestres.

Uma banda da qualidade do Kiss, não precisa de um monte de canhões de luzes e nem de muita tecnologia ou parafernália para distrair o público. Os caras sabem o que fazem, chegam e dão o recado na medida certa, contagiando e emocionando a todos, desde os jovens até os cabeças brancas como eu.

Vida longa ao rock!

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »