política

A grande jogada de Stédile que envolve Rubinho na nova eleição de Cachoeirinha; ’Vamos expulsar Miki’

Ao anunciar apoio a Dr. Rubinho (União Brasil) como candidato a prefeito na eleição suplementar, o ex-prefeito José Stédile (PSB) – e seu parceiro e também ex-prefeito Vicente Pires – tirar do caminho o principal adversário em sua candidatura a deputado estadual.

Stédile não será candidato, possibilidade que reportei segunda em A chapa ’imbatível’ na nova eleição de Cachoeirinha e os prováveis candidatos.

Seria dos Grandes Lances dos Piores Momentos ter que pedir para o povo votar no “40”, número na urna que reelegeu prefeito Miki Breier (PSB), hoje cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) por abuso de poder econômico e político e pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, sob suspeitas de corrupção em contratos da limpeza urbana denunciado em investigações das operações Proximidade e Ousadia, do Ministério Público.

Mas Stédile agora conta com o compromisso de Rubinho, que fez 19.381 votos, perdendo por apenas 318 votos a eleição de 2020, de não concorrer mesmo que perca o pleito suplementar.

Sem Rubinho na eleição de outubro, Stédile é o favorito a se eleger em Cachoeirinha.

E, mesmo sem o prefeito por dois mandatos, e ex-deputado federal compondo a chapa como candidato a prefeito ou vice, a aliança ganha contornos de “imbatível”, ao menos nas conversas entre políticos de diferentes lados da ferradura ideológica – se é que isso ainda existe em Cachoeirinha.

O quarto colocado na eleição, Antônio Teixeira (REDE), já tinha anunciado apoio ao advogado.

Fato é que a parceria Rubinho-Stédile não é novidade.

Reportei antes da eleição de 2020, em artigos como Stédile vai demitir Vicente?; Ex-prefeito anti-Miki, alto salário no Estado, se associa à oposição (ou Situação B) e Os ’anti-Miki’; silêncio de Stédile grita.

Em setembro, quando Vicente compartilhou posts de Rubinho e adversários do então prefeito de seu partido, Miki, candidato à reeleição, escrevi: ”…O novo capítulo da série Netflix ‘Eu Odeio Miki’ traz mais uma evidência de que Vicente Pires (PSB) é sottocapo do don José Stédile (PSB) na conspiração para atrapalhar a reeleição de Miki Breier (PSB), em Cachoeirinha…”.

E constatei: “… Se quem cala consente, o silêncio de Stédile gritou. Mesmo sendo o presidente estadual do partido, licenciado para ocupar a secretaria, ainda manda no que mais parece uma agência do Sine, do que um partido…”.

Stédile agiu de seu jeito, sem dizer sim, nem não.

A prova de que sabotou Miki, o próprio ex-prefeito confirmou no ato político da noite desta quarta-feira, quando, ao lado de Vicente, abriu apoio a Rubinho e desafio alguém tê-lo visto pedindo votos para a reeleição de Miki, apesar de ter sido em 2016 o ‘Grande Eleitor’ do prefeito que resta hoje sob ‘velório político’: cassado, inelegível por 8 anos e ameaçado por ação penal.

– Nós vamos tentar expulsar o Miki. Mas se o Miki não for expulso não tem problema, porque nós vamos ganhar a eleição – disse Stédile, emn trecho de vídeo do ato, que circula pelo WhatsApp como “encaminhado com frequência”, e onde se ouve ao fundo um “bora lá” da ex-vereadora Jack Ritter (Cidadania), rebelde no governo mesmo quando estava no PSB de Miki e que deve ser novamente a vice de Rubinho.

 

Assista à fala de Stédile e, abaixo, sigo

 

Ao fim, a eleição suplementar já começou, mesmo que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) não tenha marcado data, e analise apelação do advogado André Lima, como reportei em Recurso ao TRE pode adiar nova eleição em Cachoeirinha e permitir até que Miki concorra.

Rubinho é o favorito, mas deve enfrentar a caneta na mão do prefeito interino Cristian Wasem (MDB) e sua ‘República dos Vereadores’, que quanto mais tempo tiver de tinta, mas força ganha; além do outsider Delegado João Paulo (PP), com um discurso quase que ‘anti-política’, se apresentando como o ex-chefe de Polícia do Estado que pode enfrentar grupos políticos, econômicos e facções que querem tomar de assalto a Prefeitura.

Sobre Stédile, resta reconhecer que é uma raposa da política.

Se Rubinho for eleito, não disputará votos com ele em Cachoeirinha na eleição para a Assembleia Legislativa. Se Rubinho perder, neste 2022 o ‘gringo’, como fez com Dilma no golpeachment, dá um ‘tchau querida!’ para dois de uma vez, afinal, Miki já era.

 

LEIA TAMBÉM

Assista em vídeo: Cristian Wasem toma posse como prefeito interino de Cachoerinha até nova eleição; ’Mais paz, menos guerra política’

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »