moisés mendes

A estratégia de Carluxo com o tiozão do zap

Bolsonaro está sob pressão do centrão para que Carluxo não seja o estrategista das mídias virtuais e sociais na campanha. Em 2018, foi tudo com ele.

É uma situação exemplar dos tempos que vivemos desde muito antes da eleição de Bolsonaro. Carluxo não é especialista de nada, mas foi mais do que estrategista de mídias, foi o cara da comunicação do esquemão de em 2018.

A comunicação sempre foi uma área decisiva em qualquer setor, em empresas, governos, partidos, igrejas e campanhas.

Porque um trabalho pode ir pro brejo sem uma boa comunicação. O que a extrema direita descobriu antes de todo mundo, com a ascensão de todo tipo de fascismo com a ajuda da internet?

Que é possível estabelecer comunicação com a maioria da população com frases curtas, bobagens, memes, ataques, mentiras, difamações. Foi o que fizeram na campanha eleitoral de 2018.

A direita descobriu o que Saramago um dia previu: que a comunicação entre as pessoas, na era digital, seria por urros. E Saramago morreu antes da explosão do WhatsApp e coisas parecidas.

O especialista em marketing eleitoral, que dizem ainda existir, não teria significado algum na campanha de Bolsonaro. É só saber urrar.

Carluxo, seus amigos, mais os robôs acionados em todo o mundo e os tiozões mobilizados pelo bolsonarismo fizeram o serviço. Que especialista que nada. Basta um Carluxo e milhões de tiozinhos do zap.

Ainda tem Telegram, Twitter, Instagram, TikTok e outros assemelhados. Disparam a mensagem e, como diz a direita, cria-se e propaga-se a narrativa. É só passar adiante.

O tiozão é o mensageiro de Carluxo. Alguns, por acharem que ‘produzem’ informação, consideram-se repórteres do bolsonarismo.

Todos nós conhecemos muitos deles que têm certeza de que estão fazendo jornalismo, coisa que eles sempre desejaram na vida e finalmente conseguiram com Bolsonaro.

O tiozão se acha um repórter, mais do que uma caixa de ressonância de mentiras e besteiras espalhadas pelo gabinete do ódio.

Por suas competências, Carluxo chegou a ser cotado como porta-voz do pai, logo depois da eleição. Teríamos o primeiro especialista em WhatsApp no cargo. Com status de ministro.

Mas agora há um problema. O ministro Alexandre de Moraes, que vai presidir o Tribunal Superior Eleitoral durante a eleição, já avisou que desta vez não tem fake news.

“Se houver repetição do que foi feito em 2018, o registro (do candidato) será cassado. E as pessoas que assim fizerem irão para a cadeia por atentar contra as eleições e a democracia no Brasil”, disse Moraes quando do julgamento da ação que pedia a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão, em outubro do ano passado.

Será mesmo? É o que poderemos testar logo adiante, quando a campanha for deflagrada. Até hoje, nenhum produtor, financiador ou disseminador de fake news foi punido.

Há um inquérito sobre fake news andando de arrasto no Supremo, e a CPMI das Fake News, instalada em setembro de 2019, foi sepultada viva no Congresso.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »