política

A convenção do MDB de Cachoeirinha foi suspensa pela disputa por candidatura à Prefeitura e cargos no governo

O adiamento da convenção do MDB de Cachoeirinha, que aconteceria neste sábado com chapa de consenso, é fácil de explicar: o grupo ligado ao vice-prefeito cassado Maurício Medeiros recorreu à direção estadual por temer um golpe do prefeito interino Cristian Wasem e ficar fora do governo de transição até a realização da nova eleição para a Prefeitura.

O Seguinte: teve acesso a dois documentos oficiais do partido.

Em um o delegado partidário Milton Cava comunica à filiada Sheila Stasiak Camboim o cancelamento da convenção a partir de solicitação feita por ela à direção estadual.

Outro é parecer jurídico que sustenta a suspensão. A argumentação é que “não houve, até o dia 22 de abril, 8 dias antes da realização das Convenções Municipais, inscrição de chapas para a Convenção do MDB de Cachoeirinha, conforme determina o artigo 90 do Estatuto Partidário”.

O parecer jurídico também aponta que “nenhum documento oficial sobre a realização ou não realização da Convenção Municipal em Cachoeirinha foi enviada ao Diretório Estadual”.

“… Como consequência, vencidos os atuais mandatos, não mais havendo Diretório e Comissão Executiva, deverá o Diretório Estadual, posteriormente, nomear uma Comissão Provisória…”, conclui o documento, que você acessa na íntegra clicando aqui.

– Três ou quatro desrespeitaram o consenso. A palavra dada foi negada quando viram que uma minoria burocrática que vive há décadas sem fazer nada seria desmamada – reagiu o advogado André Lima, principal articulador da chapa de consenso e que era cotado para ser eleito presidente após a escolha do novo diretório municipal.

Até a nomeação, Claudio Pinheiro segue na presidência municipal.

Reputo, como a operação política do grupo de Maurício teve apoio da deputada estadual Patrícia Alba e do ex-prefeito de Gravataí Marco Alba, a percepção do ‘golpe’ se deu quando Cristian abriu sua primeira segunda-feira de trabalho sentado na cadeira de prefeito recebendo ‘inimigos internos’ do casal, o ex-deputado federal Jones Martins e o deputado estadual e ex-secretário de Infraestrutura do governo Eduardo Leite (PSDB).

Contei o episódio em Cristian Wasem começa mal seu governo em Cachoeirinha; Conheça os novos secretários e suas relações políticas.

Ao fim, possivelmente a comissão provisória não garantirá a maioria dos apoios que Cristian teria para concorrer na eleição suplementar, caso fosse eleita hoje a chapa que era construída como “de consenso”.

Maurício Medeiros disse ontem ao jornalista Roque Lopes, de O Repórter, que não quer concorrer na nova eleição para a Prefeitura. Talvez a partir de hoje seja obrigado por seu grupo a, pelo menos, ameaçar disputar uma prévia com Cristian.

 

LEIA TAMBÉM

Assista em vídeo: Cristian Wasem toma posse como prefeito interino de Cachoerinha até nova eleição; ’Mais paz, menos guerra política’

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »