política

A chapa ’imbatível’ na nova eleição de Cachoeirinha e os prováveis candidatos

Ex-prefeito entre 2000 e 2008, José Stédile (PSB) pode ser candidato à Prefeitura de Cachoeirinha na eleição suplementar, que ainda não tem data marcada pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) após a cassação de Miki Breier (PSB) e Maurício Medeiros (MDB) por abuso de poder econômico e político na campanha eleitoral da reeleição do prefeito e vice, mas deve acontecer ainda no primeiro semestre deste ano.

A articulação, que envolveria Dr. Rubinho (União Brasil), segundo colocado em 2020 e favorito por ter perdido a eleição por apenas 318 votos, seria manobrada pelo também ex-prefeito Vicente Pires, amigo dos dois e, com a bênção de Stédile, seu ‘Grande Eleitor’ para chegar à Prefeitura em 2008 e 2012, apoiador da candidatura do advogado contra o ‘inimigo interno’, Miki, em 2020, o que chamei de 'novo capítulo da série Netflix ‘Eu Odeio Miki' em Os ’anti-Miki’; silêncio de Stédile grita.

A proposta seria Stédile ser o candidato a prefeito e Rubinho vice, ou indicando a candidatura a vice, que poderia ser Jack Ritter (Cidadania), sua companheira de chapa na última eleição. Os ex-prefeitos Stédile e Vicente apoiariam Rubinho como candidato a deputado estadual na eleição de outubro.

É uma aliança considerada ‘imbatível’, ao menos no meio político, mas considerada de difícil montagem, já que Rubinho goza de favoritismo e tem em seu União Pelo Brasil o partido com mais dinheiro no país, o que deve garantir mais recursos na campanha do pleito suplementar.

Fato é que a eleição começou nos bastidores.

Cristian Wasem, presidente da Câmara que assumiu como prefeito interino, já disse ao Seguinte: em sua posse que quer ser candidato, e você assiste em Assista em vídeo: Cristian Wasem toma posse como prefeito interino de Cachoerinha até nova eleição; ’Mais paz, menos guerra política’.

Enfrentaria dentro do MDB o vice eleito, e prefeito em exercício cassado, Maurício Medeiros, que diferentemente de Miki não foi condenado a inelegibilidade de 8 anos e pode disputar a eleição suplementar.

Além da caneta, mesmo que por um tempo curto, Cristian também tenta seduzir parte dos vereadores propondo um governo ‘parlamentar’ e tem uma moeda valorizada na política: como agora assumiu a Prefeitura, se eleito não poderia concorrer à reeleição em 2024.

Maurício tem – ainda – a maioria no partido, mas enfrenta o desgaste de ter sido cassado, além de vice reeleito de Miki, que segue sob velório político desde as denúncias de corrupção apontadas pelo Ministério Público nas operações Proximidade e Ousadia, que levaram a seu afastamento pela 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça.

Terceiro colocado em 2020, o Delegado João Paulo (PP) é apresentado nas redes sociais, por seus apoiadores, como um ‘outsider’, uma alternativa para tirar a Prefeitura do cativeiro que é mantida por vereadores, hábeis em sequestrar quem senta na cadeira sob ameaça de CPIs, impeachments e negociações cargo a cargo, e voto a voto, em projetos enviados ao legislativo.

O problema é que alianças necessárias para a eleição podem derrubar esse ‘mito’ de candidato que é apoiador da reeleição de Jair Bolsonaro e da candidatura do senador Luiz Carlos Heinze ao Palácio Piratini.

O Delegado já teria recebido sinal do veterano vereador Deoclécio Melo (Solidariedade), aliado aos governos Stédile, Vicente, Miki e Maurício, até sua filha, Aline, ter saído do secretariado denunciando suspeitas sobre contratos no governo.

Uma parceria seria o fim do discurso ‘anti-política’.

Uma candidatura do vereador e presidente da comissão do impeachment, David Almansa (PT), também é possível. Foi o parlamentar mais votado em 2020 e, além de poder se apresentar como oposição de verdade, por ser o único a não ter cargos ou relações com os últimos governos, seria o ‘candidato do Lula’.

Há ainda os nomes, mais cotados para compor como vice em alguma chapa, da ex-presidente da Câmara, Jussara Caçapava (Avante); dos vereadores Paulinho da Farmácia (PDT) e Felisberto Xavier (PSD), e de Nerisson Oliveira (Republicanos), com apoio do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão.

 

LEIA TAMBÉM

Cachoeirinha terá nova eleição: TRE cassa Miki e Maurício; Cristian será o novo prefeito

TRE publica acórdão: novo prefeito de Cachoeirinha pode assumir a qualquer momento

 

Ao fim, como é característico da política, inimizades se estreitam na mesma proporção da chegada do dia da nova eleição e da reabertura do mercado das esperanças eleitorais.

Concluo, mais uma vez, com tristeza por esse ontem que já dura dois anos.

A cidade resta parada. Enquanto grupos políticos e econômicos, e facções criminosas, articulam-se para tomar – ou retomar – a Prefeitura de assalto, o povo espera lá no fim da fila, aguardando os próximos vendedores de esperança.

Esse contágio de denúncias, suspeitas de corrupção, toma-lá-dá-cá de CCs, essa imagem que fica de cidade de bandidos, onde política e polícia se misturam, lembra-me uma de 1981, do Millôr: “Corrompa-se enquanto ainda é bem jovem. Senão vai se arrepender, como eu, que já perdi a oportunidade. Hoje teria que aguentar todo mundo comentando: “Mas até o Millôr!”.

Pobre Cachoeirinha!

 

LEIA TAMBÉM

BIOGRAFIA | José Stédile

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »