política

A Câmara de Gravataí não é palanque: vereador, retire título de cidadão para seu candidato de estimação!

É um erro o vereador Clebes Mendes (MDB) propor um título de cidadão gravataiense ao secretário estadual de Logística e Transportes Juvir Costella (MDB). O homenageado não tem culpa. Mas a Câmara da quarta economia do RS não pode servir de palanque – eleitoral e/ou para revanchismos políticos.

Dos Grandes Lances dos Piores Momentos é que, reputo, a justificativa é para envergonhar, não comemorar.

O Projeto de Decreto Legislativo 18/2021 foi lido na última sessão do legislativo e deve ser votado em 45 dias. Clique aqui para ler o currículo e a justificativa do vereador para homenagear o colega de partido com a maior honraria de Gravataí, que fala na “incansável atuação para a conclusão e entrega das obras da ERS-118, bem como o recente anúncio da construção das elevadas da ERS-118 com a Av. Centenário, promovendo grande melhoria na qualidade de vida dos gravataienses”.

É uma fake news creditar a duplicação da ERS-118 a Costella, que, em nosso modelo presidencialista, e a analogia vale para o governador, não agiu mais do que como um despachante na conclusão das obras. Que na prática não ocorreu ainda, como alertei após a cerimônia de inauguração em dezembro, em Duplicação completa da RS-118 é uma fake news. A elevada, por exemplo, ainda é uma promessa. O lançamento do edital, apesar da garantia de novembro, que reportei segunda em O que mais preocupa Zaffa sobre pedágio em Gravataí; A 020 e os 5 pedidos ao governador, é empurrado de mês a mês.

E entendo ser motivo de vergonha tentar politizar, personalizar ou se aproveitar das obras na 118, que demoraram 20 anos, ao custo de R$ 400 milhões em dinheiro público.

É mais fácil achar vilões do que heróis, já que a obra perpassou os governos Olívio Dutra (PT), Germano Rigotto (MDB), Yeda Crusius (PSDB), José Ivo Sartori (MDB) e agora Eduardo Leite (PSDB). Com Costella participando, à exceção dos governos petistas.

Para piorar, com a duplicação ‘pronta’, a ideia do governo estadual é conceder a exploração à iniciativa privada com um novo pedágio, o que não é motivo de comemoração entre a maioria dos vereadores.

Politicamente também é um desastre.

Costella é candidato à reeleição como deputado estadual ano que vem. E é notório que Clebes fará campanha para aquele que quer homenagear usando da estrutura pública.

Já isso deveria ser impedido por algum dispositivo no Regimento Interno da Câmara – e aqui fica a sugestão para a reforma que está sendo estudada pelos vereadores.

Há, também, evidências de que a Câmara será usada para revanchismo político, já que Costella é, junto à direção estadual, um defensor de Clebes no processo aberto pelo MDB de Gravataí e que o ameaça de expulsão desde 2020 pela suposta infidelidade partidária por ter votado contra as contas do então prefeito Marco Alba (MDB) e ter, supostamente, feito campanha para Dimas Costa (PSD) e não para Luiz Zaffalon (MDB) na eleição para a Prefeitura, como tratei em MDB quer expulsar Clebes, Paulinho da Farmácia e Nadir por trabalhar para Dimas.

Se for aprovado o título de cidadão para Costella, outros vereadores também se sentirão no direito de apresentar homenagens a seus candidatos em 22.

Márcia Becker (MDB), por exemplo, poderia homenagear Patrícia Alba (MDB) por ser a primeira mulher deputada de Gravataí. Anna Beatriz da Silva (PSD) poderia homenagear o companheiro, Dimas. Ambas menções seriam até mais justas, por serem políticos com história na aldeia. Mas arriscaríamos ter até um Bibo Nunes cidadão de Gravataí.

Ao fim, reafirmo que Costella, o homenageado, não tem culpa. Se ele ainda não pediu a Clebes para poupá-lo do constrangimento de ter votos contrários, ou até o título rejeitado, eu peço: retira, vereador!

A Câmara não pode ser palanque político ou de DR partidária.

Participe de nossos canais e assine nossa NewsLetter

Facebook
WhatsApp
Twitter
LinkedIn
Pinterest

Conteúdo relacionado

Emocore Rave

Expansionismo genético Votem no clichê sagrado Em edição americana Sempre haverá uma Salém Ossos no fundo do poço Carne new wave Emocore rave Para o mal Para o bem.

Leia mais »